quarta-feira, 11 de abril de 2018

O TÊNIS DE CORRIDA


Domingo passado (08), antes de sair para a primeira prova do ano, experimentei um tênis novo, que ainda guardo numa caixa em cima do guarda-roupa.
É o mesmo modelo que tenho usado em minhas corridas nos últimos anos, o Asics Gel Hyper Speed 7.

A característica que mais aprecio neste tênis não é sua leveza e nem o seu conforto, mas a combinação dessas qualidades num calçado só.
Eu admito, também, a preferência por cores vibrantes, quase espalhafatosas, para usar nos pés em minhas corridas. É como se fosse uma injeção de ânimo para meus amiguinhos pisantes.


Meu tênis não é o melhor tênis do mundo, nem é o pior.
“Cada um sabe onde lhe aperta o calo”, já dizia o velho ditado. Embora a ideia seja, justamente, a de não sofrer incômodos correndo.
Guardei o tênis novo para ajustar melhor nos treinos, catei o “judiadinho” e parti para o meu desafio.
Tem coisa que não faço é estrear calçado novo em dias de prova.
Quanto mais, sendo corrida de longa distância, como os 16 km em que estava inscrito.
Compartilho, abaixo, um vídeo desses que são especialistas em esmiuçar os mais diversificados modelos.
Por conveniência, escolhi o Speed 7 pra mostrar.


E você, o que aprecia num tênis de corrida?
Leveza?
Conforto?
Amortecimento?
Estabilidade?
Qual o seu modelo favorito?

Grande abraço.
Até a próxima.




terça-feira, 3 de abril de 2018

A CAMINHADA

Dizem que a corrida é a base dos outros esportes, é a mãe de todos eles.
Se isso é verdade, então a boa e velha caminhada é a avó.

É a ela que recorremos quando encontramos dificuldade para mantermos o fôlego e a velocidade.
A corrida exige.
A caminhada acolhe.


Corredores avançados não cogitam caminhar durante suas provas.
Em minha primeira participação na corrida de rua caminhei em três momentos numa prova de 5 quilômetros.
Conforme o condicionamento foi melhorando passei a correr do início ao fim.
Agora, faz tempo que não vejo a “vovó”.
Já prometi que uma hora dessas me inscrevo em uma prova de caminhada. Hoje em dia quase todos os eventos de corrida oferecem a opção (e a inscrição, geralmente, é mais em conta).
Tem camiseta no kit, medalha e frutas no final.
Acho que deveria ter bolachinha caseira também. Seria mais a cara das avós.



Às vezes penso em incrementar minhas corridas com caminhadas curtas, sem que comprometa o rendimento.
É uma experiência que ainda quero ter.
Não me refiro a caminhar por conta de cansaço, mas escolher um momento, ou dois, para desacelerar e retomar a força, “descansar em movimento”.

Correr é isso, é experimentar-se.
Caminhar não é menos.
Corra, caminhe, rasteje. Mas não pare.